terça-feira, 13 de julho de 2010

O GRANDE VALOR DE UM ABRAÇO Telmo Weber



A Bíblia está cheia de referências a múltiplas manifestações do grande amor de Deus. Parafraseando João 3.16, podemos afirmar que “Deus abraçou o mundo de tal maneira e com tanto amor, que deu seu Filho unigênito...”.
Somos frutos do abraço do Pai por nós e agora Paulo nos pede, ou melhor, exorta para que manifestemos aos nossos irmãos “ternos afetos de misericórdia, de bondade, de humildade, de mansidão, de longanimidade (Colossenses 3.12). A bela expressão “ternos afetos” vem de uma palavra grega que melhor traduzida seria “entranhas”, uma atitude de penetrar profundamente (entranhar-se) no coração do outro a fim de manifestar-lhe o amor de Cristo.
Uma das maneiras de se conseguir isto é certamente pelo abraço afetuoso, tipo aquele que o pai da parábola que Jesus contou em Lucas 15 deu em seu filho: “Vinha ele ainda longe quando o seu pai o avistou e, compadecido dele, correndo, o abraçou e beijou”. Os irmãos da igreja em Éfeso, logo após orarem com Paulo e no meio de grande pranto, “abraçando afetuosamente a Paulo, o beijavam” (Atos 20.37).
Quero conclamar os irmãos para que manifestemos mais seguidamente o abraço afetuoso. Já está comprovado que todos necessitamos de contato físico para nos sentirmos bem e uma das formas mais importantes do contato físico é o abraço. Quando nos tocamos e nos abraçamos levamos vida ao coração de nossos irmãos e amigos. Algumas vezes sentimo-nos incapacitados para expressar o que sentimos; o abraço é a melhor maneira. Há vezes que não nos atrevemos a dizer o que sentimos, seja por timidez ou porque os sentimentos nos avassalam, nesses casos pode-se contar com o idioma dos abraços. É importante saber que os abraços são necessários para o desenvolvimento humano, para manter-nos sãos e para crescermos como pessoa. Eles aumentam a vontade de viver tanto nos enfermos como nos sãos. Os abraços, além de nos fazerem sentir bem, empregam-se para aliviar a dor, a depressão e a ansiedade.

Meditemos um pouco mais sobre o que nos pode transmitir um caloroso abraço:

FORÇA – Os irmãos sentem nossa vibração de amor e serão fortalecidos.
SAÚDE – O contato físico, como a imposição de mãos e um abraço comunicarão cura e alívio de enfermidades.
AUTOVALORIZAÇÃO – Estaremos transmitindo aos outros uma mensagem de reconhecimento do valor e da excelência de cada indivíduo.
PROTEÇÃO – Sentir-se protegido e amparado é importante para todos, e mais ainda para crianças e velhos que frequentemente precisam receber o amor de quem os rodeia.
SEGURANÇA – Todos necessitamos sentir-nos seguros e o abraço pode comunicar isto de modo especial.
CONFIANÇA – Ao sermos acometidos pelo medo, um abraço reafirma ao outro uma renovada disposição para enfrentar desafios da vida.
O CALOR DO ESPÍRITO SANTO – Ao nos abraçarmos no amor de Jesus recebemos um novo enchimento do Espírito Santo que nos renovará. Lembrem a saudação calorosa de Maria e Isabel quando certamente se abraçaram e foram cheias do Espírito Santo (Lucas 1.41).

Um bom abraço faz e diz muitíssimo; abrace o seu amigo, abrace seus entes queridos, abrace seus irmãos em Cristo, abrace até quem não gosta de ser abraçado. Abrace a todos.
(Transcrito e adaptado por TPW)



Copyright © 2000 - 2010 by Igreja em Porto Alegre - RS - BRASIL