sábado, 10 de maio de 2014

Palavras sábias para mulheres - Parte 4 -

Para Mães Jovens

Catriona Anderson

ww4_big.jpg (9K) - mãe e filhos
As palavras sábias desta semana são de um homem que viveu há mais de 200 anos atrás e, ainda assim, elas são extremamente relevantes para mulheres hoje. Elas vêm de John Angell James, um pastor que viveu e trabalhou na Inglaterra no início do século XIX. Ele escreveu vários livros inclusive Female Piety(Devoção Feminina), da qual esta citação é tirada. Embora a linguagem seja ligeiramente antiquada, vale à pena ler este livro, que pode ser lido on-line aqui. Neste trecho James dirige-se a mães:
A força do amor de uma mulher pelo seu filho deve ser direcionada para um fim proveitoso, e ser dirigida, na prática, para os melhores e mais úteis propósitos. Há uma diferença, uma grande diferença, entre o cuidado maternal dos animais e o da mulher. Nos animais, não vai além de provisão e proteção – treinamento não faz parte deste cuidado. O mesmo instinto que dá aos animais os hábitos que fazem parte da sua natureza, também os transmite à sua descendência. Estes descendentes, sem passar por qualquer dor na sua educação, ou qualquer preocupação em relação ao seu bem-estar, aprenderão as lições de subsistência pelos instintos da natureza ,e serão capaz de crescer até sua maturidade sem ajuda de pais ou professor. Não é assim com os pequenos da espécie humana. Eles também precisam de provisão e proteção, mas, mais do que isto, eles precisam de instrução. E quem deve ser o seu instrutor? Em primeiro lugar, e acima de todos - sua mãe...
A mãe é quem pode trabalhar mais com o caráter no estado flexível, enquanto ainda pode ser moldado. Os primeiros exercícios de pensamento, emoção, vontade e consciência, são todos realizados debaixo do seu olhar. Ela tem que lidar não só com o corpo na sua infância, mas com a alma na sua infância. Mente e coração estão ambos em suas mãos nesse período, quando os pequenos dão o primeiro passo para o bem ou para o mal. Eles aprendem a balbuciar suas primeiras palavras, e formar suas primeiras idéias sob o ensino da mãe. Eles estão quase sempre na companhia dela e estão recebendo sua influência certa ou errada, inconscientemente para si mesmos e imperceptivelmente para ela! A mãe é o primeiro 'modelo de caráter' que eles têm – as primeiras exibições de certo e errado na prática é o que eles vêem nela. Os filhos são os observadores constantes das paixões, das boas maneiras, das virtudes e das faltas - que são mostrados através das palavras, disposição e ações da mãe. Ela está, portanto, inconscientemente educando seus filhos, não só pelo ensino intencional, mas por tudo que faz ou diz na presença deles!
Crianças são criaturas imitadoras. Durante os primeiros anos, a imitação é o que rege sua alma e eles, que são menos guiados por “razão”, são mais governados pelo “exemplo”. Aprender a falar é conseqüência de imitação, não de intuição. E assim como as crianças aprendem a repetir sons tão cedo e tão inconscientemente, da mesma forma elas podem também aprender a copiar ações e hábitos. Isto aplica-se à mãe em um sentido bem mais amplo do que ao pai simplesmente porque ela está mais constantemente com as crianças nas fases iniciais da sua existência. É, portanto, de grande importância que toda mulher que mantém esta relação tenha uma idéia precisa do grande poder que exerce sobre seus filhos. Ela deve estar profunda e conscientemente estimulada pelo potencial de influência que possui.


(1) Este é o quarto de uma série de 7 posts publicados no blog titus2talk todas as quartas feiras no período entre 10/01/07 a 07/03/07
 

Nenhum comentário: