sábado, 28 de junho de 2014

[Mulheres da História] “Lições práticas sobre a vida de Idelette Calvino – Parte 2″ por Joel R. Beek

  • Caráter
http://www.mulherespiedosas.com.br/wp-content/uploads/2013/05/calvinswife.jpgIdelette era calma, modesta, animada, e ainda sóbria. Theodore Beza, o primeiro biógrafo confiável de Calvino, a chamou de a melhor das mulheres — “uma mulher séria de espírito de bom caráter”. Embora fosse delicada e sofresse com uma saúde frágil, Idelette dedicou toda a sua força para educar seus filhos. A fidelidade de Idelette em meio às dificuldades que enfrentou revelavam sua mansidão e humildade. Essa reação, no entanto, não significava que ela fosse fraca ou medrosa. Seguir a Cristo no caminho do sofrimento exige  grande força e coragem, e Idelette  se submetia pacientemente às diversas providências de Deus.
Para obter espaço para Idelette e seus filhos em sua pequena casa em Estrasburgo, Calvino teve que abrir mão de dois de seus locatários. Abrir mão dessas fontes de renda  foi um significativo sacrifício para Calvino, considerando o seu magro salário, mas ele parece ter feito isso alegremente. Apenas algumas semanas depois de seu casamento, ele escreveu a Farel sobre quão satisfeito estava com sua nova esposa. Como van den Berg escreve, Calvino “claramente percebeu no casamento uma especial experiência de alegria”. Van den Berg continua, dizendo que “o casamento deles foi mais do que um simples acordo racional; ele se tornou um vínculo verdadeiro e sólido de amor e lealdade. A calma e paciente Idelette foi uma amiga excepcionalmente adequada no casamento”.
Pouco depois de seu casamento com Idelette, Calvino foi a Regensburg para assistir a um debate teológico. Enquanto ele estava fora, a praga atingiu Estrasburgo. Um dos melhores amigos de Calvino, Claude Feray, morreu pela praga. Calvino ficou preocupado com Idelette, que havia se refugiado fora da cidade. Ele escreveu: “Dia e noite a minha esposa está em meus pensamentos, agora que ela está privada do meu conselho e deve agir sem o seu marido”. Por fim, Calvino não pôde se preocupar mais; ele logo deixou o debate para voltar à Idelette.
Idelette e Calvino ficaram em Estrasburgo por menos de um ano até que Calvino foi chamado de volta à Genebra para continuar o seu grande trabalho como Reformador. A pressão desta decisão pesava fortemente sobre ele. As cartas deste período de Calvino indicam que ele estava muito feliz em Estrasburgo e não queria retornar a Genebra. Ele escreveu a Farel: “Eu temo atirar-me neste redemoinho que acho tão perigoso”. Apesar de não termos nenhum relato sobre os pensamentos e sentimentos de Idelette naquela época, o casal decidiu se mudar para Genebra, em resposta à vontade de Deus. A filha de Idelette, Judith, os acompanhou, enquanto seu filho permaneceu em Estrasburgo com parentes.

Lição nº 2: A segunda lição que aprendemos com Idelette é que o verdadeiro crescimento espiritual e resignação à vontade de Deus são quase sempre inseparáveis. Quando foi a última vez que você pacientemente se submeteu à vontade de Deus, mesmo quando você não sentia vontade de fazer isso? Como você se sentiu depois de colocar sua vontade debaixo da vontade de Deus pela graça do Espírito Santo?
Ainda que o Conselho da cidade de Genebra tenha proporcionado uma bela habitação para Idelette e Calvino no topo da Rua de Chanoines — ela tinha um pequeno jardim e uma magnífica vista do Lago Léman e das montanhas de Jura de um lado, e dos Alpes do outro lado —, Calvin só recebia um salário de cerca de US$ 200 por ano, doze medidas de milho, e dois barris de vinho. Embora os recursos à sua disposição fossem muito modestos, Idelette alegremente abriu sua casa para numerosos refugiados e frequentemente estendeu sua hospitalidade aos amigos de Calvino, como Farel, Beza, e Viret, todos os quais respeitavam-na grandemente.
Idelette era uma maravilhosa  esposa e companheira para o mais proeminente pastor de Genebra. Quando o trabalho de Calvino como pastor, escritor e funcionário público ameaçou sua saúde, Idelette provou ser uma confidente, conselheira, cujas opiniões eram muito necessárias. Ela cuidava do espírito abatido e da saúde frágil de Calvino, e visitava os doentes no lugar dele. Ela também abria mão das suas vontades para assegurar a Calvino que ela o respeitava por permanecer fiel a Deus e às Escrituras, não importando o custo. Idelette estava disposta a compartilhar com ele qualquer fardo que ele carregasse e assegurava-lhe que ele nunca deveria ser tentado a descansar de seus deveres por causa do alívio e conforto que ela lhe dava. Ela era profundamente comprometida com ministério de Calvino como pregador e professor, bem como com a sua organização da forma de governo igreja-estado, fundada nos princípios das Escrituras.
Após a morte de Idelette em 1549, Calvino escreveu a um amigo: “Eu tenho sido despojado da melhor companheira da minha vida, de alguém que, se lhe fosse solicitado, não só teria participado voluntariamente da minha indigência [ou pobreza], mas até mesmo da minha morte. Durante sua vida ela foi a fiel auxiliadora do meu ministério. Dela, eu nunca experimentei a menor resistência.”

Lição nº 3: Outra lição que uma mulher cristã pode aprender com Idelette é que um casamento será muito abençoado se a esposa estiver comprometida em ser uma ajudadora fiel para o seu marido, e se seus objetivos, visão e paixão forem semelhantes às dele. Não se case com alguém a quem você não está comprometida a ajudar, ou com alguém cuja visão e objetivos são diferentes dos seus. Esse casamento só vai causar divisão mais tarde.
Talvez o ponto crucial do casamento de Calvino e Idelette é que a sabedoria de Deus brilha mais em pobres vasos de barro. Uma mulher com quem Calvino havia considerado se casar antes de casar-se com Idelette era muito rica. Embora ela pudesse ter oferecido um dote substancial, ela não falava o francês nativo de Calvino. Você pode imaginar tentar conduzir uma mudança mundial, cumprindo a tarefa de moldar a igreja fornecendo orientação espiritual para o povo de Deus, durante um dos tempos mais desafiadores da história, com um cônjuge que não fala a sua língua? Quando buscamos primeiramente a vontade de Deus para nossas vidas, obtemos bênçãos, diz Colossenses 3:24. Calvino e Idelette não procuraram riquezas, status, ou ganho mundano para si mesmos. Eles são um belo exemplo de crentes que se uniram como cônjuges para fazer a obra de Deus de uma forma magnífica.

Lição nº 4: Aprenda com o que Idelette tinha para oferecer a Calvino, para que, quando procurar por um cônjuge, você não deixe que a riqueza ou a falta dela seja um problema significativo. Em vez disso, concentre-se nesta pergunta: Nós dois estamos profundamente comprometidos a usar nossos talentos para fornecer direção e saúde espirituais para a Igreja e o reino de Deus?
_______________
*Esse artigo foi publicado originalmente no PRTS journal (2010). Traduzido e publicado em português com permissão do autor.
**Dr. Joel Beeke é presidente e professor de teologia sistemática no Puritan Reformed Theological Seminary (EUA). É pastor da Heritage Netherlands Reformed Congregation, editor da Banner of Sovereign Grace Truth, diretor editorial de Reformation Heritage Books, presidente da Inheritance. Foi co-autor, escreveu ou editou mais de 50 livros, dentre os quais, “Vivendo para a Glória de Deus” e “Vencendo o Mundo”. Obteve seu Ph.D. em Teologia da Reforma e Pós-reforma no Westminster Theological Seminary. Ele é convidado freqüentemente para lecionar em seminários e pregar em conferências ao redor do mundo. Ele e sua esposa, Mary, foram abençoados com três filhos: Calvin, Esther e Lydia.
_________________
** Tradução: Arielle Pedrosa

Mulheres piedosas: http://www.mulherespiedosas.com.br/idelette-calvino-02/

Nenhum comentário: